Pages

Os 31 aninhos de Xanadu

Dirigido por Robert Greenwald para a Universal Pictures, Xanadu (1980) é um dos clássicos kitsch mais adorados do cinema. Estrelado por Olivia Newton-John (na época, a sensação do momento), Gene Kelly (um dos maiores astros de Hollywood) e Michael Beck (que, apesar de não ser necessariamente famoso, havia sido a revelação de The Warriors - Os Selvagens da Noite no ano anterior), o filme tem uma trama no mínimo inusitada: Zeus envia do Olimpo uma musa, Kira (Olivia Newton-John), para inspirar um jovem artista gráfico, Sonny (Michael Beck), desiludido com sua profissão. Sonny faz pinturas para capas de discos, mas sente-se frustrado porque seu talento não é valorizado por seu chefe tirano. Ao mesmo tempo, Danny McGuire (Gene Kelly) é um empresário aposentado também frustrado por ter deixado de lado seu passado de músico em Big Bands. Sonny conhece Danny por acaso e os dois tornam-se amigos. Kira aparece para inspirar os dois, que unem seus sonhos em um só: a inauguração a roller-disco que dá título ao filme. No meio disso, Kira e Sonny se apaixonam, claro.

Xanadu teve sua pré-produção iniciada como um musical para faturar na moda da roller-disco (misto de discoteca com pista de patinação), muito popular no final dos anos 70. A partir daí, misturou, além de elementos dos anos 70 e 80 (como sintetizadores, patins e disco music), modismos dos anos 40, como as Big Bands ao estilo de Glenn Miller. Se a mistura funciona, não importa. No final das contas, o filme virou "uma apoteose kitsch e antológica, com Gene Kelly pagando mico na cena final", como um programa sobre cinema da extinta TV Manchete o descreveu.

Gene Kelly, Olivia Newton-John e Michael Beck
Isso só conta pontos a favor do filme, claro, uma deliciosa incursão no mundo das comédias românticas musicais, como podemos dizer... pouco convencionais, para ser bem contido. Açucarado e colorido, Xanadu surpreendeu pela ousadia ao colocar Gene Kelly, uma lenda viva do cinema musical - astro de filmes como Cantando Na Chuva - no papel de um dos protagonistas. E o bom velhinho ainda mostra que consegue se equilibrar sobre patins! É isso mesmo, aos 68 anos de idade. Genial. Pena que foi o último filme de Gene...

Tudo isso é embalado por uma trilha sonora ma-ra-vi-lho-sa, com canções inesquecíveis de Olivia Newton-John e do grupo Electric Light Orchestra (ELO), também super em alta nos anos 70. Hits de Olivia como Xanadu, Magic, Suddenly (dueto com Cliff Richard) e da ELO como All Over The World e I'm Alive (todos compostos especialmente para o filme) são populares ainda hoje. Até Gene Kelly fez dueto com Olivia em Whenever You're Away From Me, onde tentam recriar um aconchegante clima de anos 40.


As filmagens começaram no segundo semestre de 1979. Porém, muitos problemas atingiram a equipe de produção: o principal deles era a falta de um roteiro pronto (e precisava?). Os roteiristas eram obrigados a reescrever cenas o tempo todo, o que acabou afetando o trabalho dos atores. Outro problema foi o orçamento, antes modesto, e que acabou saindo do controle com a adição de grandes efeitos especiais, campanhas publicitárias excessivas (antes mesmo do término das filmagens) e a construção de um set que custou mais de um milhão de dólares.

Mesmo com as eventuais mudanças de rumo no roteiro, Xanadu não foi fruto de uma viagem de LSD de seus roteiristas (como pode parecer). Excessos à parte, foi baseado na história de um filme de 1947, Quando os Deuses Amam (Down to Earth), com Rita Hayworth no papel da musa inspiradora que desce à Terra e se apaixona por um mortal.

Com o término das filmagens, teve início um grande esquema publicitário, que envolveu desde programas especiais de Making Of na TV até lojas (como a C&A) vendendo roupas inspiradas nos figurinos do filme, revistas, pôsteres e outros badulaques. Porém, o que mais divulgou Xanadu foi sua trilha sonora, um enorme sucesso. A estréia nos Estados Unidos foi no dia 8 de agosto de 1980. Apesar de ter coberto seus custos, o filme não deu grande lucro por lá, mas fez boas bilheterias em países como Austrália, Japão, Alemanha e aqui no Brasil.

A crítica americana foi unânime ao classificar o filme como insosso e mal dirigido. O crítico Roger Ebert afirmou: "Xanadu é uma fantasia musical sem graça e fraca, tão sem substância que constantemente evapora sob nossos olhos". No entanto, com o passar do tempo e com os anos 80 voltando à moda, a crítica reconheceu o valor de Xanadu como entretenimento. O respeitado crítico James Berardinelli publicou uma crítica, 26 anos após a estréia do filme, dizendo que "Xanadu pode até não ter atingido as ambições originais de seu diretor mas, ao falhar tão espetacularmente, se tornou algo maior". Um reconhecimento mais que digno.

Olivia Newton-John
Xanadu ainda inspirou - junto com o filme do Village People, A Música Não Pode Parar (Can't Stop The Music) - John Wilson a criar o Troféu Framboesa. O curioso é que Olivia Newton-John recusou o papel principal feminino em A Música Não Pode Parar (que acabou sobrando para Valerie Perrine) justamente para estrelar Xanadu. Mas não houve escapatória: os dois filmes estrearam praticamente juntos e tiveram o mesmo destino: críticas péssimas, apesar das trilhas sonoras imensamente famosas. Sem falar no grande feito de terem originado o famoso Troféu Framboesa!

Após o fracasso do filme, pouco se falou sobre ele até o início de um revival dos anos 80, no começo dos anos 2000. A trilha sonora foi recuperada em festinhas do gênero e o filme caiu no gosto de diversas tribos: a dos fãs de filmes trash (por trazer efeitos considerados ingênuos e risíveis para os dias de hoje), os fãs de camp films (por trazer atuações, figurinos e roteiro exagerados), fãs dos anos 80 (por ser o grande marco do final da era disco e antecipar a estética da década) e dos GLS (por trazer a Olivia Newton-John no elenco e pela trilha sonora disco). Em 2007 o filme ganhou até versão na Broadway, imaginem só! Com ou sem patins, esse mundo dá voltas...

4 comentários:

olivia newton john disse...

sou suspeita a falar adoro olivia newton john adoro as musicas dela e esse filme q ela fez xanadu como grease adoro tb xanadu e um filme q tem minha idade praticamente e um filme romantico sonhador td de bom pra viajar na historia c uma historia bonita e engenua e c efeitos especiais muito muito legal tenho em casa esse filme xanadu e as vezes assisto de novo

Anônimo disse...

Xanadu é uma obra prima, incompreendida e muito além de seu tempo. Aliás, como todo clássico, é atemporal. As imagens são espetaculares, de uma plasticidade impar, as músicas inigualáveis. Quem não entende nada sobre arte visual e se concentra em noções burocráticas sobre cinema é capaz de julgá-lo erroneamente, mas creiam, daqui a 100 anos ainda será cultuado porque permanecerá atual. A arte tem que ser ousada, não pode se limitar a agradar a crítica, que o digam Van Gogh, Salvador Dali, os participantes da Semana de Arte Moderna, Beatles, Guns n Roses,The Clash, Tchaikovsk, Baudelaire... só para começar.
João Armoris

Anônimo disse...

Sou apaixonada por Xanadu!!! E olha que nem passei dos 24 anos, quando vi o DVD pela primeira vez estava em um cantinho da locadora. Aluguei por curiosidade e me apaixonei, é um clássico!! E a trilha sonora então... nem se fala!! Amo os anos 80, apesar de não ter vivido eles!
Parabéns pelo post!!
Abraço.
Itana

Daniel Couri disse...

Também sou louco por "Xanadu", Itana! Assisti na adolescência. Também aluguei por acaso. Estava empoeirado, esquecido numa prateleira da locadora. Resolvi pegar e foi amor instantâneo! E a trilha sonora então... Nem se fala! :-))

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...